quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Plantas medicinais para a sua horta



Antes era muito comum cultivar plantas medicinais no quintal, uma praticidade e tanta para àquelas horas de aperto e mal-estar. Felizmente este hábito tem sido cada vez mais recuperado e até quem mora em apartamento está descobrindo que é possível ter uma hortinha em casa!
Veja a nossa sugestão de plantas medicinais que você pode ter em casa, para que servem e como plantar!

3 plantas medicinais para a sua horta

Erva-cidreira

Para que é usada: combater insôniaansiedade, tensão nervosa, dor de cabeça, cólicas e aliviar os gases. Isto sem falar no uso culinário que é vastíssimo.
Cuidados: quem tem pressão baixa deve evitar, pois ela pode provocar queda de pressão, bem como irritação gástrica e bradicardia.
Como plantar: pode chegar a 80 centímetros, mas pode ser plantada em um vaso ou jardineira. Não gosta de temperaturas extremas. As mudas precisam ser plantadas com uns 5 cm de profundidade num solo fértil (bastante matéria orgânica), com boa drenagem (lembre que os vasos devem ter furinho embaixo) e num local que receba sol (mas sem excesso de calor). Regue de 2 a 3 x por semana, mas não encharque o solo!

Capim-limão

Para que é usada: em sucos e infusões para combater cólica intestinal e menstrual, ansiedade, nervosismo e insônia.
Cuidados: pode intensificar o efeito de calmantes.
Como plantar: precisa de solo fértil, úmido, mas bem drenado (de novo, com furinhos no fundo do vaso). Aí só escolher um local que bata sol e regar para deixar o solo úmido, mas sem exagero, o excesso de água pode matar a planta.

Erva-doce

Para que é usada: amenizar sintomas de má digestãoenjoos, cólicas intestinais e ainda é expectorante!
Como plantar: o solo deve ser bem drenado, precisa receber luz durante o dia, mas não se dá bem com temperaturas extremas nem ventos fortes. Regue 2 x por semana, mas não encharque o solo!
Importante: crianças de até 5 anos, idosos e pessoas com algum tipo de restrição médica não devem consumir plantas medicinais sem o consentimento e a orientação médica adequados.